Géssica Hellmann & Alex Oliveira

Missão: Registramos neste blog nossas pesquisas e nosso pensamento profissional sobre produção e marketing de conteúdo.



Siga-nos!

   Perfil no Google Plus Feeds RSS


Gostou? Divulgue!

Você tem um blog e gostou de nosso conteúdo? Adicione um botãozinho para nós em seu blogroll. Basta copiar o código a seguir!

O resultado será:
Pesquisa - Redação - Projetos Editoriais



Direitos Autorais

O conteúdo deste blog é protegido por direitos autorais. Se você quiser reproduzir na web qualquer conteúdo originalmente publicado aqui, lembre-se de atribuir a autoria a Géssica Hellmann & Cia. Ltda e incluir um link direto para página de onde copiou o conteúdo.
Licença Creative Commons

Licença Creative Commons
Para mais detalhes, consulte nossa página sobre Direitos Autorais

Protegido contra plágio

Protected by Copyscape Online Plagiarism Test


O ultimato da Economia Digital

Arquivos: , , , , ,

Autor: Géssica Hellmann | Data: 16/02/2012 |


Toda empresa precisa entrar na era digital, é inevitável. Estima-se que até 2016 haverá 3 bilhões de usuários de Internet no mundo, ou seja, o correspondente a 45% da população mundial.

Um fato interessante é que 90% dos dados disponíveis hoje foram criados nos últimos 2 anos. A ecomomia digital irá atingir a cifra de 4,2 trilhões de dólares nos países do G-20*. Desta forma, nenhuma empresa ou país poderá se dar ao luxo de ignorar esse fenômeno global.

A era digital vem alterando as estruturas das indústrias, criando novos modelos de negócios e alterando a maneira como as empresas fazem negócios.

A IBM prevê que 1 trilhão de dispositivos serão conectados à Internet até 2015. A Internet está em todo lugar, não apenas em telefones móveis, mas também em carros, geladeiras e relógios.

A Internet está alterando radicalmente a forma que as empresas interagem com os clientes e executam suas cadeias de suprimentos. Em um mundo cada vez mais digital, as empresas precisam construir seus ativos digitais e reduzir os passivos digitais. Muitas empresas necessitarão de uma “transformação digital”, envolvendo pessoas, processos e estruturas organizacionais.

Na era digital com a velocidade das mudanças e o crescimento constante da concorrência, as empresas terão de se afastar de seus modelos de ciclos de planejamento de longo prazo para uma abordagem estratégica adaptativa. Por seu turno, para fortalecer o crescimento da economia digital, os governos precisam apoiar políticas relacionadas com a inovação, investimento em infraestrutura, defesa do consumidor e privacidade de dados na Internet.

Em muitos países, a Internet tornou-se tanto uma força econômica vital como um motor de crescimento interno. Em 2010, em algumas das principais nações do G20, a internet contribuiu com até 8% do valor do PIB.

Muitos países emergentes têm realizado fortes investimentos em infraestrutura de banda larga e esperam receber dividendos no futuro próximo. É preciso enfatizar que, para favorecer o crescimento da economia digital, os investimentos em infraestrutura fixa e móvel devem ser acompanhados por outras forças motrizes, como ambiente regulatório favorável, sistemas de pagamentos confiáveis  e defesa do consumidor para transações de comércio eletrônico.

Para realizar uma avaliação mais objetiva, a empresa BCG – Boston Consulting Group – desenvolveu um índice sobre a economia digital de 50 países, classificando-os em 5 grupos conforme seu desempenho na pontuação do índice em relação ao PIB per capita:

  • Nativos: PIB per capita elevado e forte desempenho nos diversos índices
  • Jogadores: Boa infraestrutura de internet e ambiente favorável ao comércio, mas com desempenho inconsistente nos índices
  • Nativos-ascendentes: Baixo PIB per capita e subdesempenho em pelo menos em uma dimensão, mas com exemplos de liderança e inovação
  • Retardatários: Desempenho no índice BCG pior do que foi previsto por seu PIB per capita
  • Aspirantes: Economia em desenvolvimento com baixa pontuação em diversos índices

O Brasil encontra-se no grupo de aspirantes, junto com China, Rússia, Índia e outros países da América Latina.

Os países que formam o grupo de “Aspirantes”, não são irrelevantes. Estima-se, por exemplo, que a economia da internet da China vai aproximar-se o tamanho da economia da Internet dos EUA dentro de apenas 4 anos. Em 2016, a China terá cerca de 800 milhões de internautas fortalecendo a economia digital do país. As nações emergentes serão responsáveis por cerca de 34% da economia global da Internet.

Nos mercados emergentes, a maioria dos consumidores está mais familiarizada com um celular do que com um telefone fixo. Em 2016, os dispositivos móveis serão responsáveis por cerca de 80% de todas as conexões de banda larga nas nações do G-20

No Brasil, segundo os dados do IBOPE, há 76,8 milhões de pessoas com acesso a Internet, com utilização mensal média de 69 horas por pessoa.

A Era Digital já é uma realidade. Convido a você que deseja ampliar e consolidar suas oportunidades de atuação  estratégica de marketing na internet a entrar em contato através do formulário abaixo e conhecer nossas ideias para inserir sua empresa definitivamente na Era Digital.







Artigos relacionados

Os comentários estão fechados.