Géssica Hellmann & Alex Oliveira

Missão: Registramos neste blog nossas pesquisas e nosso pensamento profissional sobre produção e marketing de conteúdo.



Siga-nos!

   Perfil no Google Plus Feeds RSS


Gostou? Divulgue!

Você tem um blog e gostou de nosso conteúdo? Adicione um botãozinho para nós em seu blogroll. Basta copiar o código a seguir!

O resultado será:
Pesquisa - Redação - Projetos Editoriais


Direitos Autorais

O conteúdo deste blog é protegido por direitos autorais. Se você quiser reproduzir na web qualquer conteúdo originalmente publicado aqui, lembre-se de atribuir a autoria a Géssica Hellmann & Cia. Ltda e incluir um link direto para página de onde copiou o conteúdo.
Licença Creative Commons

Licença Creative Commons
Para mais detalhes, consulte nossa página sobre Direitos Autorais

Protegido contra plágio

Protected by Copyscape Online Plagiarism Test


Marketing para músicos iniciantes – Parte 4 – Procure o palco

Marketing para músicos iniciantes: Procure o palco - Imagem por Géssica Hellmann

Marketing para músicos iniciantes: Procure o palco – Imagem por Géssica Hellmann

Este é um princípio com que praticamente todos os músicos bem sucedidos concordam: o bom músico se faz no palco. É no palco que você tem a oportunidade de provar para si mesmo que já adquiriu o nível mínimo de competência técnica. É no palco que você aprende a se comunicar com o público e descobre na prática que sua profissão é divertir pessoas. É no palco que você aprende o que dá certo e o que não dá. É no palco que você aprende a enfrentar o nervosismo e a timidez, abrindo espaço para a expressão dos seus verdadeiros talentos.

Deste modo, assim que você reunir um nível mínimo de competência técnica para seu estilo musical, sua maior preocupação deve ser agarrar todas as oportunidades de apresentar-se em público.

O tamanho e o tipo de plateia não são importantes neste estágio

Enquanto você não consegue seu primeiro contrato para apresentar-se diante de 100 mil pessoas em um estádio de futebol, há muito que você pode fazer para adquirir suas primeiras experiências. Faça uma apresentação solo para seu namorado ou sua namorada. Reúna meia dúzia de amigos para jantar em sua casa e apresente-se para eles. Aproveite as reuniões de família, como dia das mães, Páscoa e Natal e… Apresente-se. Seja oferecido! Apresente-se na escola, na faculdade, em festas.

O importante, neste estágio é adquirir experiência no “palco”, ainda que o seu palco seja o sofá de sua sala. Sua tarefa é observar a reação das pessoas à sua música. Procure entender que tipo de repertório ou técnica agrada a que tipo de pessoa. Tente lembrar-se de que a intenção do seu público não é magoar você, mas apenas divertir-se. Se você quer que as pessoas paguem para se divertir com sua música, você precisa primeiro aprender como divertir as pessoas com sua música!

O estilo de música não é importante neste estágio

Provavelmente, você procura seguir um estilo que ama ouvir e deseja tocar acima de tudo. Isso é ótimo e será muito importante no estágio seguinte de sua carreira, que vamos abordar no próximo artigo. Mas, neste momento, a oportunidade de aprender os elementos fundamentais das apresentações em público são mais importantes do que o estilo musical. Assim, se você tem amigos que mantêm uma banda que toca um estilo de música radicalmente diferente do seu estilo preferido, você deveria ser capaz de aproveitar a oportunidade de se apresentar com eles algumas vezes, mesmo que seja para executar uma ou duas músicas como “artista convidado”.

Seja sociável

Este é outro conselho muito repetido pelos músicos de sucesso: agarre-se a todas as oportunidades de tocar/cantar com outros músicos. Os benefícios citados são muito variados, mas podemos citar como mais importantes:

  • Musicalidade: você aprenderá mais sobre ritmo e harmonia em um ensaio livre com outros músicos do que em um ano de aulas teóricas. Além disso, você aprenderá como sua execução realmente soa quando em conjunto com outros instrumentistas ou cantores, aperfeiçoando continuamente sua técnica.
  • Espírito de equipe: você aprenderá quando dar um passo à frente e quando dar um passo atrás, quando deve ocupar espaço e quando deve ceder espaço. Você também aprenderá a cobrir as falhas dos outros e a permitir que os outros corrijam suas falhas, construindo relações de confiança.
  • Disciplina: o trabalho em grupo leva as pessoas a se comprometerem com um objetivo comum e, consequentemente, a um compromisso maior com o resultado final.
  • Negociação: você aprenderá a gerenciar egos, a começar pelo seu próprio, ganhando progressivamente uma percepção mais precisa sobre quando deve ceder e quando deve fincar o pé.

Uma dica importante nesta etapa é privilegiar os relacionamentos pessoais. Mesmo que você não se entenda musicalmente com algumas pessoas, tente relevar os eventuais desentendimentos e procure preservar a amizade dessas pessoas. As amizades que você fizer agora poderão ser vitais nas próximas etapas de sua carreira.

A oportunidade de ouro: apresentar-se com pessoas mais experientes do que você

Apresentar-se sozinho ou com pessoas tão inexperientes quanto você pode ser a única solução durante algum tempo, mas você deve trabalhar ativamente para ampliar sua rede de relacionamentos e fazer amizade com músicos mais experientes do que você. No momento certo, você deve oferecer-se para assistir a um ensaio dessas pessoas, nem que seja para vê-los em ação. Havendo oportunidade de tocar ou cantar, ainda que apenas um pouquinho, durante um ensaio, aproveite para mostrar sua arduamente adquirida competência técnica. Não seja tímido: havendo oportunidade de compartilhar suas ideias, diga o que tem em mente. Se houver uma vaga, ofereça-se para ocupá-la ou para submeter-se a um teste.

Apresentar-se com músicos mais experientes representa sua oportunidade de ouro neste estágio, independentemente do estilo musical, porque além dos benefícios gerais que já mencionamos, você terá a oportunidade de observar e aprender:

  • Como ensaiar profissionalmente: você notará imediatamente que um ensaio que reúne músicos experientes envolve um nível muito maior de concentração, atenção e eficiência. Por outro lado, a experiência traz a esses músicos uma tranquilidade e uma autoconfiança que você não verá em reuniões de músicos menos experientes.
  • Detalhes da produção: você vai entender como funcionam os preparativos de equipamentos, som, luz, figurino, além de descobrir mil truques e macetes para todos os tipos de situação.
  • Comunicação e capacidade de divertir o público: Este é o ponto-chave – é neste momento que sua competência técnica arduamente adquirida será mais útil no seu caminho para o sucesso. Procure observar tudo o que os outros músicos fazem no palco durante a apresentação e qual a reação da plateia a esses comportamentos. Se possível, tome nota depois da apresentação, reflita sobre os dados que reuniu e vá, gradativamente, desenvolvendo um estilo próprio de tocar ou cantar.

O grande objetivo desta etapa

Não é possível enfatizar demais: seu maior objetivo nesta etapa é aprender a usar sua música para se comunicar com o público. O seu sucesso como músico depende inteiramente de sua capacidade de agradar a um público, de divertir certas pessoas. Essa não é uma habilidade que você pode aprender em um curso ou ensaiando sozinho em uma garagem: é essencial mostrar-se o máximo que puder para a maior quantidade e variedade possível de pessoas.

Note que, nesta etapa, o importante é perceber o que agrada às pessoas em geral, independente do estilo. Quando você adquirir experiência suficiente, chegará o momento de impor o seu estilo e criar sua personalidade musical, temas que abordaremos na próxima quinta-feira. Até lá!







Marketing para músicos iniciantes – Parte 3 – Adquirindo competência técnica

Marketing musical: a competência técnica é o primeiro passo para o sucesso - Imagem por Géssica Hellmann

Marketing musical: a competência técnica é o primeiro passo para o sucesso – Imagem por Géssica Hellmann

No artigo anterior, tratamos do estabelecimento de objetivos. Explicamos como fazer uma programação de tarefas semanais e mensais para concretizar uma realização de maior alcance num horizonte de 6 meses a 2 anos. Neste artigo, iniciamos a parte “mãos à obra”’desta série, permitindo que o músico identifique em que etapa da carreira ele se encontra e o que deve fazer em cada uma delas.

Finalmente, as etapas!

Talvez a maior dificuldade que as pessoas enfrentam para cumprir a tarefa de estabelecer os seus objetivos seja, justamente, conseguir vislumbrar qual resultado seria realista esperar dentro de seis meses, considerando a etapa da carreira em que você se encontra hoje. Esse problema ocorre especialmente porque você, provavelmente, sequer sabe em que etapa sua carreira se encontra hoje!

Sendo assim, os próximos artigos desta série serão dedicados à descrição das etapas da carreira musical que antecedem o sucesso profissional propriamente dito, para que você identifique que tarefas precisa realizar e que objetivos deve perseguir durante os próximos anos.

Etapa 1 – Adquira o nível mínimo aceitável de competência técnica em seu estilo musical

Antes de entrarmos nos detalhes desta etapa, você vai gostar de ler alguns exemplos de situações reais.

Quatro exemplos práticos de competência técnica

Cena 1: Uma cantora iniciante mas que já havia obtido algumas boas críticas em jornais conseguiu agendar um show no teatro de uma grande empresa. Seu show consistia em nada menos do que um conjunto de covers de Elis Regina, nos quais ela poderia exibir sua apuradíssima técnica vocal. Sala cheia, acompanhada de bons instrumentistas, cantou várias músicas e já começava a empolgar o público quando, simplesmente, esqueceu a letra de uma das canções. Tentou improvisar, engasgou, interrompeu a canção. Pediu desculpas constrangidas à plateia e, daquele ponto em diante, o show perdeu o encanto.

Cena 2: Show do guitarrista Victor Biglione em um pequeno espaço de jazz. Em plena execução de um solo mais complexo, a corda número 1 de sua guitarra arrebentou. O experiente guitarrista continuou tocando sua música, adaptando-se à ausência da corda número 1, até o ponto em que a corda número 2 também arrebentou. Ele ainda tentou continuar tocando mas, vendo que era impossível, pediu duas cordas ao assistente de palco e trocou-as tranquilamente enquanto o restante da banda prosseguia com a execução, preenchendo os espaços deixados pela guitarra com solos de teclados e outros instrumentos. Com cordas trocadas e afinadas, fez um sinal à banda para tocar os últimos compassos e completar a música. O público foi ao delírio.

Cena 3: Show da banda Quiet Riot na década de 1980. Tudo estava correndo bem quando os amplificadores de guitarras deixaram de funcionar. Durante os longos 20 minutos necessários ao conserto dos amplificadores, o vocalista Kevin Dubrow dedicou-se a divertir a plateia contando piadas e conversando com o público. A notícia correu o mundo e, certamente, ajudou a aumentar ainda mais o sucesso de uma banda que estava no seu auge.

Cena 4: Show ao ar livre do cantor Daniel em praia do litoral catarinense. O show mal havia começado quando um blackout afetou toda a cidade. Após acalmar o público convidando-o a se sentar, o artista reaparece para apresentar seu show em cima do próprio caminhão equipado com sistema de som próprio. Após o restabelecimento da energia elétrica, o artista voltou ao palco para completar o show diante de uma plateia entusiasmada diante de seu profissionalismo.

Qual o ponto chave para entendermos as lições das quatro cenas anteriores? Sem dúvida, é a competência técnica entendida em seu sentido mais amplo: não se trata apenas de “saber fazer o certo”, mas também de “saber o que fazer quando as coisas dão errado”.

Obtenha indicadores de desempenho realistas sobre sua competência técnica

Embora pareça óbvio que todo músico precisa de um mínimo de competência técnica caso queira ter uma chance real de impressionar o seu público, esta etapa é justamente a que produz o maior número de enganos. Muitas carreiras musicais promissoras foram abortadas logo nesta primeira etapa, por erro de avaliação do músico quanto à própria competência.

O primeiro ponto é observar que o erro ocorre nas duas direções. É possível encontrar muitos casos de músicos “afobados” que tentaram se estabelecer profissionalmente antes de obter a competência mínima necessária para se apresentar em público e, após vários fracassos, acabaram desistindo da carreira. Mas também há uma multidão de casos de músicos excessivamente auto-exigentes, cujo perfeccionismo os impede de se considerarem “prontos” para se apresentar em público, mesmo que já tenham estudado e praticado por décadas a fio.

Para fugir dessa armadilha, é preciso estabelecer indicadores de desempenho realistas. Em primeiro lugar, você precisa pesquisar quais são as competências técnicas mínimas exigidas de um músico em seu próprio estilo musical. Talvez você não esteja pronto para uma grande estreia em certo estilos que exijam execução perfeita, mas é possível que sua técnica já seja bastante aceitável para outros estilos em que, por exemplo, elementos como “atitude” e “energia” sejam mais importantes do que um eventual virtuosismo.

Em segundo lugar, é importante procurar opiniões qualificadas sobre suas competências técnicas. Um professor de música, um maestro ou um músico profissional experiente sem dúvida poderão fornecer alguns indicadores práticos para orientá-lo na formulação de seus objetivos nesta etapa. De qualquer forma, arme-se do espírito de “detetive” e mantenha disposição para ir além das respostas mais superficiais. Quando o objetivo é descobrir uma forma de avaliar a si mesmo, sempre é bom perguntar a mais de uma pessoa. Também é conveniente observar pessoalmente, comparecendo a apresentações de músicos experientes e tomando nota das competências que você pode se esforçar para adquirir após 6 meses, 1 ano, 18 meses ou 2 anos de treino.

Conselhos práticos

Seguem alguns conselhos aparentemente óbvios, mas extremamente úteis:

  • Domine a técnica da sua música. Seja você um instrumentista, cantor ou compositor, mais de 50% de sua competência técnica corresponde a saber fazer corretamente o que se espera de você: compor, cantar, tocar corretamente as músicas que você escolheu apresentar ao seu público.
  • Ensaie obsessivamente. O objetivo aqui é fazer mais do que “tocar ou cantar sem errar”: o que você deseja é tocar ou cantar com tamanha naturalidade que o público não perceba seu esforço.
  • Ensaie o que fazer em situações em que as coisas dão errado. Por exemplo, você pode ensaiar previamente o que fazer em uma situação em que o cantor esqueça a letra, uma guitarra perca uma corda ou aconteça uma pane elétrica nos amplificadores.
  • Aprenda a fazer a manutenção básica do seu equipamento/instrumento. Cabos, microfones, amplificadores, pedais, teclados, baquetas, cordas, palhetas, tudo isso requer cuidados especiais de transporte, armazenagem, manuseio e utilização. Aprenda quais são esses cuidados e saiba pelo menos realizar uma manutenção preventiva quando for o caso. Desta forma, você evitará surpresas desagradáveis em momentos cruciais de sua carreira.
  • Tenha backups. Teoricamente, você deveria ter pelo menos um backup de cada item que pode dar defeito durante uma apresentação. Entretanto, esse ideal pode se tornar facilmente inviável tanto do ponto de vista financeiro como do logístico. Assim, você deve decidir quais são os itens que não podem faltar em hipótese alguma durante uma apresentação em público e providenciar backups para esses itens. Para os demais itens, procure ensaiar o que fazer para manter o respeito do público caso você precise deles e não os tenha à mão.
A importância da competência técnica é poupar energia para o aprendizado nas etapas seguintes

Vale repetir: competência técnica é mais do que simplesmente saber fazer o certo, é saber o que fazer quando as coisas dão errado. De fato, o objetivo aqui é conhecer todos os detalhes que fazem a qualidade de uma apresentação do seu estilo musical e tomar todas as providências para que todos os aspectos principais de suas apresentações em público tenham sempre a maior probabilidade possível de funcionar bem do início ao fim. Ao atingir esse objetivo, você estará pronto para se apresentar em público e causar uma excelente impressão em sua plateia, mesmo que se trate de sua estreia.

Mais do que isso: ao atingir o estágio em que você tem sob seu controle todos os elementos básicos de uma apresentação musical em público, você libera energia do seu cérebro para as etapas seguintes, em que a chave do sucesso é o aprendizado por observação. Você simplesmente não conseguirá observar nada se, durante o todo o tempo em que estiver no palco, você ficar preocupado em conseguir tocar o próximo acorde ou em se lembrar da próxima estrofe. Você precisa de confiança na sua capacidade de resolver esses problemas básicos. Fique certo de que o público perceberá sua confiança e responderá de acordo.

O que esperar do próximo artigo

A aquisição de competência técnica é uma etapa que não deveria ser “queimada” por músico algum. Afinal, ela propicia o fundamento de tudo mais que virá a seguir. Mas é apenas a primeira etapa. O objetivo é libertar o músico da ansiedade com pequenos detalhes, deixando-o à vontade para aprender e evoluir nas etapas seguintes. O próximo artigo trata justamente das primeiras experiências de apresentação em público, enfatizando, como sempre, os objetivos de aprendizagem que se deve perseguir nessa etapa. Até a próxima quinta-feira!







Marketing para músicos iniciantes – Parte 2 – Método para chegar ao sucesso

Marketing musical: os músicos já tem as qualidades essenciais para o sucesso - Imagem por Géssica Hellmann

Marketing musical: os músicos já tem as qualidades essenciais para o sucesso – Imagem por Géssica Hellmann

No primeiro artigo desta série sobre Marketing para músicos iniciantes, enfatizamos o fato de que a diferença entre os músicos bem sucedidos e os demais é a sua trajetória. Entretanto, muito provavelmente, boa parte dos músicos bem sucedidos que você conhece seguiu essa trajetória com base em sua intuição, seguindo o doloroso método da experiência e erro, do que em uma decisão consciente de seguir um método racional. Nosso objetivo neste artigo, portanto, é apresentar a você uma metodologia prática que você pode aplicar conscientemente para reproduzir em sua própria carreira a trajetória dos músicos cujo sucesso você mais admira.

Você já tem as qualidades básicas para começar

As maiores virtudes de que a maioria dos músicos precisa para obter sucesso é a paciência aliada à capacidade de perseguir objetivos. Basicamente, você precisa do seguinte:

(1) Decisão. Decida o que deseja conseguir. O importante aqui é ser específico. “Ser um sucesso” e “conquistar muitos fãs” são desejos válidos, mas que não vão ajudá-lo muito nesta fase. Alguns exemplos de coisas que você pode definir aqui de uma forma útil são, por exemplo, “receber convites para tocar em festas e bailes”, “participar em festivais”, “realizar minha primeira apresentação solo”, “participar em gravações de estúdio com músicos mais experientes”.

(2) Prazo. Defina um prazo para transformar esse desejo em realidade. A maior importância do prazo é que ele é um poderoso motivador. O prazo cria uma pressão que obriga as pessoas a manter uma disciplina que as leva a executar diariamente as tarefas necessárias à realização do desejo.

(3) Programação. Divida seu objetivo maior em objetivos menores e defina tarefas diárias para realizar os objetivos menores dentro do prazo menor. Por exemplo, você pode dividir seu objetivo para seis meses em objetivos semanais. Se você souber no domingo o que precisa realizar até o sábado seguinte, será mais fácil decidir o que precisa fazer na segunda, na terça, e assim por diante.

(4) Mãos à obra. Trabalhe todos os dias, com inteligência e disciplina, para realizar seu objetivo. A partir de quando? A partir do dia em que tomar a decisão – que tal hoje? – até data limite que define o seu prazo!

(5) Controle e corrija. Estabeleça uma rotina para conferir os resultados obtidos e fazer mudanças caso as coisas não estejam progredindo exatamente como você esperava. Uma boa sugestão é definir previamente as datas para sessões de avaliação e controle. Assim, programe uma data por mês para um rápido balanço das suas realizações, dificuldades e soluções dentro daqueles mês específico. Programe também uma grande avaliação semestral para reavaliar suas estratégias e objetivos para o semestre seguinte, considerando os registros das avaliações e correções realizadas durante o semestre.

Repare que, sendo você um músico, você já faz todas essas coisas há muitos anos, desde a primeira vez em que decidiu arregaçar as mangas e aprender a sua arte!

Senão, vejamos. Primeiro, você decidiu que queria aprender a tocar um instrumento ou cantar. Em seguida, procurou um professor, um método ou um curso, com o objetivo de aprender certas habilidades dentro de seis meses, outras habilidades dentro de um ano e assim por diante. Estudou e praticou todos os dias, várias horas por dia, para adquirir essas habilidades. Finalmente, pôs suas habilidades à prova, arriscando-se a executar algumas músicas sob o olhar avaliador do seu professor ou de um pequeno público e usou essa experiência para decidir o que precisava melhorar.

O que você precisa fazer a partir de agora é começar a aplicar essa disciplina adquirida no longo aprendizado da música à gestão de sua carreira. E você pode começar tomando a decisão sobre o objetivo que vai perseguir durante os próximos seis meses. O restante deste artigo é dedicado a ajudar você nessa tarefa.

O primeiro passo é definir alguns indicadores sobre o que você considera “sucesso”. Por exemplo, se você for um músico iniciante, um indicador muito adequado pode ser o número de convites mensais para apresentar-se em público para pequenas plateias, como festas e saraus, por exemplo. Tendo definido os indicadores, defina o valor que você deverá perseguir para cada um desses indicadores dentro de 6, 12, 18 e 24 meses. Vejamos um exemplo prático:

Indicador de Sucesso 6 meses 12 meses 18 meses 24 meses
Convites para apresentar-se em festas e bailes 1 convite por mês 2 convites por mês 4 convites por mês 8 convites por mês

Repare que, no exemplo, esse músico vai considerar que obteve sucesso se, após 2 anos de carreira, estiver se apresentando 2 vezes por semana em festas e bailes. A importância desse exemplo é ressaltar para você que, na maioria dos casos, o sucesso vem sob a forma de regularidade, isto é, de resultados que se repetem de maneira mais ou menos uniforme ao longo do tempo. Tenha em mente esse conceito quando for estabelecer seus próprios objetivos.

Como prever o futuro?

Talvez você ache difícil estabelecer metas precisas para prazos tão longos, especialmente se estiver bem no começo de sua carreira. Tranquilize-se. Em primeiro lugar, os primeiros objetivos que você traça servem apenas como parâmetro de sucesso e incentivo ao trabalho. Muito provavelmente, os resultados realmente obtidos serão bem diferentes do que você imaginou.

Em segundo lugar, o fato de você adotar uma programação semanal e avaliações periódicas para controle de resultados e correções de rumo levará você a perseguir objetivos cada vez mais realistas. Note que essas sessões periódicas de controle e avaliação servem principalmente para corrigir suas ações e sua rotina, mas também servem para corrigir seus próprios objetivos!

Mesmo que você tenha sido um pouco otimista ou pessimista demais ao formular o seu plano, a cada novo mês ou trimestre você terá a oportunidade de reavaliar suas próprias expectativas e corrigir suas previsões de prazo e resultados.

À medida que o tempo passa e você acumula experiência, você começa a ter uma visão bastante precisa quanto do que é capaz de realizar dentro de quanto tempo. Portanto, não se preocupe em ter hoje a melhor previsão do mundo: concentre-se, isso sim, em ter a maior disciplina do mundo na hora de transformá-la em realidade.

Mas ainda estamos bem no começo…

Neste artigo, estabelecemos a base metodológica para o seu sucesso. Nossa sugestão é que você dedique a próxima semana a formular seu próprio plano de ação, tomando decisões sobre objetivos, prazos, programação e controle. Esta, provavelmente, será a semana mais importante de sua carreira, portanto, leve a sério este compromisso com seu próprio sucesso e ponha mãos à obra! No próximo artigo, que será publicado no dia 12 de abril de 2012, vamos começar o estudo das etapas da sua carreira e da estratégia que você deve adotar em cada uma delas. Até a próxima quinta!

Leia a série completa de artigos de marketing para músicos iniciantes!

Parte 1 – Etapas para uma trajetória de sucesso
Parte 2 – Método para chegar ao sucesso







Marketing para músicos iniciantes – Parte 1 – Etapas para uma trajetória de sucesso

Marketing para músicos - Imagem por Géssica Hellmann

Marketing para músicos – Imagem por Géssica Hellmann

Qual a diferença entre os músicos que dão certo e os que fracassam?

Para produzir esta série de artigos, estudamos a carreira de literalmente centenas de músicos. Durante esse estudo, vimos músicos talentosos e vimos músicos não tão talentosos. Vimos músicos teimosamente aferrados a seus princípios e outros músicos com uma visão bastante flexível de sua arte. Vimos egos musicais gigantes e músicos de temperamento humilde. Vimos músicos mau humorados, de personalidade intragável e vimos músicos simpaticíssimos a quem todos queriam bem. Vimos músicos preguiçosos e músicos dedicadíssimos. Vimos músicos disciplinados e músicos totalmente despreocupados de qualquer rotina profissional.

O que descobrimos em decorrência dessas observações pode parecer surpreendente: nenhum dos fatores mencionados tem importância chave quando se trata de obter sucesso na carreira musical. Seja qual for o perfil de personalidade que você queira traçar, sempre será possível encontrar alguns exemplos de sucessos estrondosos e fracassos retumbantes.

Se a proposta musical, o talento, os princípios, o ego, a personalidade e outros fatores não são os elementos primordiais na determinação do sucesso, quais são eles então?

Em busca da resposta a essa intrigante pergunta, analisamos as biografias de dezenas de músicos e não ficamos surpresos ao descobrir que o elemento comum a todos os casos de sucesso foi a observância de uma conduta estratégica – de uma estratégia de marketing, se preferir.

A diferença não está no conteúdo, mas na trajetória

Embora, na esmagadora maioria dos casos, o músico bem sucedido não tivesse uma formação ou experiência específica em marketing, o fato é que, fosse intuitivamente ou a partir da convivência com outros músicos mais experientes, todos eles, em determinado momento de sua carreira, adotaram uma conduta estratégica que acabou por conduzi-los ao sucesso.

Os casos de fracasso nos forneceram a contra-prova, ao demonstrar que tanto os casos de músicos que jamais decolaram quanto os que experimentaram o sucesso durante algum tempo e acabaram declinando rapidamente, envolveram a inobservância de pelo menos um dos princípios que apresentamos a seguir.

O que apresentaremos a seguir é apenas um resumo informal, uma introdução aos principais achados de nossa pesquisa. A intenção é que este artigo possa servir de guia prático para que o músico iniciante comece a planejar sua carreira de forma a aumentar a sua probabilidade de sucesso. Para o músico mais experiente, este artigo pretende oferecer um guia para diagnóstico. Após ler este artigo, o músico experiente poderá avaliar porque ainda não atingiu o sucesso que desejava, ou porque o deixou escapar entre os dedos após um período promissor – e o que é possível fazer para recuperá-lo!

O seu mapa de viagem

Mais do que explicações, esta série de artigos pretende oferecer um guia para a ação. Nós achamos que se você conseguir entender porque ainda não conseguiu o sucesso, ou porque o perdeu, você precisa saber em seguida o que fazer para atingi-lo ou recuperá-lo.

O primeiro elemento comum que salta aos olhos em praticamente todas as histórias de sucesso musical é uma trajetória. Com ligeiras variações, em algum momento de suas vidas os músicos bem sucedidos começam a seguir um rumo que invariavelmente os leva até o sucesso. Nós identificamos as etapas gerais dessa trajetória e as apresentaremos logo a seguir, com todas as tarefas que precisam ser cumpridas em cada uma delas.

Quando a sorte se transforma em azar

É importante que você perceba que uma das principais causas de fracasso é a queima de etapas. As causas mais comuns de queima de etapas são duas. A primeira é a imaturidade, seja profissional ou emocional. Nesse caso, os músicos “acham” que já estão prontos para a etapa seguinte sem adquirir a experiência necessária na etapa anterior e, como resultado, obtêm desempenho fraco na etapa seguinte.

A segunda causa comum de queima de etapas é a falsa sorte: aquele “sorte” que se transforma em “azar” após algum tempo. Basicamente, os músicos que obtêm sucesso rápido demais, isto é, que conquistam objetivos típicos de uma etapa seguinte, depois de adquirir a experiência necessária para aproveitá-lo.

O que fazer para que a sorte não se transforme em azar

Isso significa que é melhor não ter sorte e não agarrar as oportunidades quando aparecem? De modo algum! O que acontece nesses casos em que a sorte chega cedo demais é que a inexperiência causa um estresse excessivo sobre o músico. Como pessoas diferentes reagem de forma diferente ao estresse, as pessoas mais sensíveis acabam cometendo erros fatais quando submetidas a excesso de pressão, um problema que poderia ser evitado com um pouco mais de experiência na etapa anterior. Assim, se você tiver sorte e o sucesso chegar cedo demais, é bom estar preparado de antemão para suportar uma carga maior de estresse em seu dia a dia.

O que esperar do próximo artigo

No próximo artigo desta série, que será publicado na próxima quinta-feira, dia 5 de abril de 2012, abordaremos as qualidades básicas que são realmente fundamentais para começar sua trajetória de sucesso e um método simples para criar indicadores de desempenho para medir a eficácia de suas estratégias. Até a semana que vem!

Leia a série completa de artigos de marketing para músicos iniciantes!

Parte 1 – Etapas para uma trajetória de sucesso
Parte 2 – Método para chegar ao sucesso