Géssica Hellmann & Alex Oliveira

Missão: Registramos neste blog nossas pesquisas e nosso pensamento profissional sobre produção e marketing de conteúdo.



Siga-nos!

   Perfil no Google Plus Feeds RSS


Gostou? Divulgue!

Você tem um blog e gostou de nosso conteúdo? Adicione um botãozinho para nós em seu blogroll. Basta copiar o código a seguir!

O resultado será:
Pesquisa - Redação - Projetos Editoriais



Direitos Autorais

O conteúdo deste blog é protegido por direitos autorais. Se você quiser reproduzir na web qualquer conteúdo originalmente publicado aqui, lembre-se de atribuir a autoria a Géssica Hellmann & Cia. Ltda e incluir um link direto para página de onde copiou o conteúdo.
Licença Creative Commons

Licença Creative Commons
Para mais detalhes, consulte nossa página sobre Direitos Autorais

Protegido contra plágio

Protected by Copyscape Online Plagiarism Test


SEO (otimização de sites) e Marketing para sites de comércio eletrônico (e-commerce)

Arquivos: ,

Autor: Alex Oliveira | Data: 16/12/2007 |


O texto que se segue é um trecho de uma conversa online com o proprietário de um site focalizado em vendas de roupas. Do ponto de vista do usuário, o site está perfeito: bonito, funcional, atrativo, informativo e convincente. A única restrição que fiz ao site, do ponto-de-vista usuário, foi o fato de tocar música incessantemente, o que pode ser um fator irritante para muitos usuários.

No entanto, desde o lançamento, esse site vem patinando em fracos índices de audiência e vendas. Desenvolvido com muito carinho e profissionalismo nas horas vagas de seu emprego em uma empresa de profissional de Tecnologia da Informação, o webmaster pediu minha opinião sobre a possibilidade de promovê-lo usando a tecnologia de “newsletter” de uma empresa parceira à que ele trabalha. A resposta pode ser útil para você também, de modo que decidi publicá-la aqui.

“Pelo que pude entender, você quis criar uma ambientação de “loja” no seu site. De fato, praticamente em toda loja de roupas fora do mundo virtual há música de fundo.

Mas também há iluminação especial, vendedores e vendedoras bonitos e simpáticos usando as roupas da loja, aromatização ambiente (cada loja tem o seu “cheirinho” próprio) entre outras experiências sensoriais difíceis (embora não impossíveis) de emular no ambiente virtual.

Você sabe bem que o importante não são os recursos tecnológicos que você usa, mas porque o usuário precisa deles para completar seu processo de compra.

Ei, isso é importante demais! Vou repetir:

” o importante não são os recursos tecnológicos que você usa, mas porque o usuário precisa deles para completar seu processo de compra”.

A conseqüência inevitável dessa simples idéia básica é a de que você deve usar TODOS os recursos disponíveis para facilitar o processo de compra, mas SOMENTE os recursos necessários à facilitação do processo de compra!

É um critério que escapa à maioria dos novos empreendedores, na web ou fora dela.

A maior parte dos empreendedores começa com muito entusiasmo e um grande investimento na reforma da loja. Gastam 10, 20, 50 mil reais somente em obras e decoração.

Depois de tudo pronto, querem atrair clientes gastando menos de 20 reais em panfletos impressos em máquinas xerox.

Você provavelmente me dirá que sua situação é diferente, porque investiu apenas sua força de trabalho nas horas vagas.

Pense de novo. Quanto vale sua hora de trabalho?

Um cálculo aproximado: pegue seu salário bruto (inclusive os benefícios) e divida o valor por 156 (22 dias úteis x 8 horas). Multiplique o resultado pelo número de horas que você já investiu no desenvolvimento de seu site e fique de cabelo em pé.

Você precisa entender que sua loja enfrenta competição acirrada. Não apenas das lojas virtuais, mas de todas as lojas de roupas do país!

Você pode me dar um bom motivo porque eu deveria comprar uma camiseta na sua loja virtual em vez de na loja aqui da esquina? Ou do shopping local?

Se você pode dar um motivo para que eu compre na sua loja, então você precisa explicar esse motivo para algumas dezenas de milhares de pessoas, para que, talvez, algumas centenas delas decidam fazer compras na sua loja todos os meses.

Sobre a “newsletter”. Não entendi o que você quis dizer com “newsletter”, mas ao que parece, trata-se de uma campanha de e-mail marketing.

Você tem um banco de dados de clientes que fizeram o “opt-in”? “Sim, quero receber e-mails com ofertas da loja em minha caixa postal”?

Se não tem, o que pretende fazer? Embora o e-mail marketing seja uma forma de marketing relativamente barata e eficiente, se você não tiver mecanismos explícitos de opt-in e opt-out, seu site cairá nas listas negras dos softwares anti-spam mais rápido do que você possa dizer: “Compre camisetas na minha loja!”.

Há soluções. Mas todas elas passam por investimento bem orientado em comunicação de marketing. Peço que não se iluda com os caminhos fáceis pois há muitas “tecnicas de marketing baratinhas” que saem muito mais caro do que você pode imaginar.

Pense outra vez. Você tem um excelente produto nas mãos, com claras vantagens competitivas. Você já investiu uma fortuna em trabalho e conhecimento no desenvolvimento desse produto. Chegou a hora de apresentar esse produto para o mundo. Resista à tentação de queimá-lo com o equivalente virtual dos panfletos impressos em xerox”.

Precisa de ajuda? Entre em contato pelo formulário abaixo!







Artigos relacionados

Os comentários estão fechados.