Géssica Hellmann & Alex Oliveira

Missão: Registramos neste blog nossas pesquisas e nosso pensamento profissional sobre produção e marketing de conteúdo.



Siga-nos!

   Perfil no Google Plus Feeds RSS


Gostou? Divulgue!

Você tem um blog e gostou de nosso conteúdo? Adicione um botãozinho para nós em seu blogroll. Basta copiar o código a seguir!

O resultado será:
Pesquisa - Redação - Projetos Editoriais



Direitos Autorais

O conteúdo deste blog é protegido por direitos autorais. Se você quiser reproduzir na web qualquer conteúdo originalmente publicado aqui, lembre-se de atribuir a autoria a Géssica Hellmann & Cia. Ltda e incluir um link direto para página de onde copiou o conteúdo.
Licença Creative Commons

Licença Creative Commons
Para mais detalhes, consulte nossa página sobre Direitos Autorais

Protegido contra plágio

Protected by Copyscape Online Plagiarism Test


O marketing de conteúdo é o conteúdo do marketing

Arquivos: , , , ,

Autor: Géssica Hellmann | Data: 14/08/2012 |


Marketing de Conteúdo: interesse crescente do público brasileiro. Fonte: Google Insights

Marketing de Conteúdo: interesse crescente do público brasileiro. Fonte: Google Insights

O marketing de conteúdo tem despertado um interesse crescente por parte do público brasileiro, como comprovam os dados da figura acima, extraída do Google Insights para pesquisa. Entretanto, pesquisando resultados no Google em Português por artigos sobre o tema, percebemos que os louváveis esforços de simplificação e didática empreendidos por colegas blogueiros e profissionais muitas vezes deixam abertas lacunas para uma compreensão imperfeita sobre o que significa na prática o marketing de conteúdo.

”Marketing de Conteúdo” e a velha dicotomia entre forma e conteúdo

Vamos começar pelo significado da palavra “conteúdo” no contexto do marketing. No esquema clássico da teoria da comunicação, encontramos uma pessoa, chamada de “emissor”, que deseja compartilhar uma informação com outra pessoa, chamada de “receptor”. Essa informação que se deseja compartilhar precisa se manifestar fisicamente – por exemplo, sob a forma de textos, sons ou imagens – para que seja possível transmiti-la. Chamamos de “mensagem” à manifestação física da informação que, finalmente,  será transmitida através de um “canal”, “meio” ou, para usar a palavra preferida atualmente, uma “mídia” para chegar até o destinatário final.

Não vamos entrar em maiores detalhes na discussão sobre cada um desses elementos, pois, para efeito deste artigo, basta compreender que algumas pessoas consideram uma boa ideia identificar dois elementos componentes na mensagem: a “forma” e o “conteúdo”. A “forma” seria equivalente à “codificação” empregada para dotar a mensagem de um aspecto físico transmissível através da mídia.

Por exemplo, considerando que este artigo é uma “mensagem”, poderíamos considerar que sua “forma” inclui o idioma empregado no texto, o estilo de redação, as palavras escolhidas, a estrutura sintática, a família e o tamanho da fonte, a divisão de parágrafos, subtítulos e subseções, as imagens ilustrativas, entre muitos outros.

O que seria, então, o “conteúdo”? Basicamente, o conteúdo é a ideia que você deseja que a outra pessoa absorva após ser exposta à sua mensagem.

Observe o conceito: sempre que você se comunica, sua intenção é que a outra pessoa absorva uma ideia que você tem na cabeça.

O conteúdo é a ideia em que você quer que eu acredite. Qual é a sua ideia?

A pergunta que abre esta seção pode ser muito incômoda. Veja a manchete a seguir, extraída do Portal R7:

É o próprio Google quem afirma: quem quer se destacar na internet, precisa produzir o próprio conteúdo

É o próprio Google quem afirma: quem quer se destacar na internet, precisa produzir o próprio conteúdo

Basicamente, o Google está dizendo que faltam ideias próprias na internet da América Latina!

Quando uma empresa copia o conteúdo de terceiros, incluindo “notícias” já publicadas em outros sites, ela não está fazendo “marketing de conteúdo”. Afinal, o Google detecta essas cópias e as descarta, procurando sempre privilegiar o autor do conteúdo original.

Portanto, se você quer destacar sua empresa na internet, se quer fazer sua empresa realmente “bombar” na internet, só há uma coisa a fazer: seguir o conselho do Google e se transformar em um autêntico produtor de conteúdo.

Repare que a forma da mensagem não é tão importante. Sejam textos, fotos, infográficos, música, podcasts, vídeos, o aspecto fundamental é produzir conteúdo original. Enfim, você precisa mostrar ao mundo que você e sua empresa têm ideias próprias.

Marketing de conteúdo além do “Gostou? Curte e Compartilha”

A preferência recente do marketing pelas mídias sociais tem conduzido a uma ênfase excessiva a mensagens com “efeito viral” planejado. Veiculando imagens “fofas” ou “engraçadas” acompanhadas de frases de efeito muitas vezes redigidas em péssimo português, essas mensagens recebem centenas ou milhares de cliques em “curtir” e “compartilhar” no Facebook.

Ao ver essas campanhas, quase sempre me flagro perguntando: “Qual era mesmo a ideia em que você queria que eu acreditasse quando publicou essa imagem”?

Enfim, para fazer marketing de conteúdo de verdade, você precisa se preocupar em produzir mensagens que veiculem uma ideia em que as pessoas possam acreditar e se lembrar depois.

De preferência, uma ideia que induza a pessoa a procurar os produtos ou serviços que você vende quando precisar deles!

Marketing de Conteúdo para Vencer

Nossa empresa produz conteúdo para a internet desde 2005. Não só aprendemos a produzir como a divulgar esse conteúdo, usando o SEO e as mídias sociais. Nesse período, produzimos conteúdo web para diversas empresas. Um exemplo? As Casas Bahia, cujo blog de decoração é inteiramente alimentado por conteúdo criado por nós e chega nesta semana à sua centésima postagem.

Então, se a sua empresa não pode montar uma caríssima estrutura interna exclusivamente para produzir conteúdo original e vencedor para seu marketing, entre em contato através do formulário a seguir.







Artigos relacionados

Os comentários estão fechados.