Géssica Hellmann & Alex Oliveira

Missão: Registramos neste blog nossas pesquisas e nosso pensamento profissional sobre produção e marketing de conteúdo.



Siga-nos!

   Perfil no Google Plus Feeds RSS


Gostou? Divulgue!

Você tem um blog e gostou de nosso conteúdo? Adicione um botãozinho para nós em seu blogroll. Basta copiar o código a seguir!

O resultado será:
Pesquisa - Redação - Projetos Editoriais



Direitos Autorais

O conteúdo deste blog é protegido por direitos autorais. Se você quiser reproduzir na web qualquer conteúdo originalmente publicado aqui, lembre-se de atribuir a autoria a Géssica Hellmann & Cia. Ltda e incluir um link direto para página de onde copiou o conteúdo.
Licença Creative Commons

Licença Creative Commons
Para mais detalhes, consulte nossa página sobre Direitos Autorais

Protegido contra plágio

Protected by Copyscape Online Plagiarism Test


Conceitos-chaves de Otimização de Sites (1): Proeminência

Arquivos:

Autor: Alex Oliveira | Data: 16/01/2008 |


No post anterior, tratamos de técnicas que, basicamente, visam “inchar” sua página web com palavras-chaves na esperança de manipular os resultados de busca.

Tenho visto alguns casos de sites que entraram nesse jogo perigoso e se mantiveram no topo das pesquisas por longos períodos antes de finalmente serem denunciados e banidos por concorrentes.

Os conceitos que vou abordar nesta série de posts sobre os fatores de otimização on-page esclarecem, simultaneamente (1) porque as técnicas black-hat funcionam e (2) como empregá-las com inteligência para conseguir resultados consistentes a longo-prazo, sem correr risco de ser caracterizado como “spammer” pelos buscadores.

O conteúdo do seu site é, sem dúvida, a chave de seu sucesso. Ele precisa ser útil e atraente para as pessoas que visitam seu site. Esta deve ser sua preocupação número 1, 2 e 3.

Vou esclarecer melhor este ponto com um estudo de caso. Em conversa pelo MSN Messenger, um blogueiro muito dedicado dizia-se intrigado por não conseguir a audiência que julgava merecer. Na própria exposição que ele fez do problema, já descobri o que ele precisa mudar. Veja se você consegue descobrir por si mesmo qual é o real obstáculo enfrentado por esse blogueiro (que pode, aliás, ser considerado representativo de 99% dos webmasters e pequenos empresários do mundo). Para facilitar seu trabalho, vou grifar as palavras-chaves:

“Considerando que meu blog é novo… Até algumas semanas atrás eu não passava de 10 visitas diárias… Até eu fazer aquele post. Mas não foi proposital. E eu meio que me arrependo. Porque entra meio que um publico indesejado. Não que seja indesejado… Mas é o tipo de publico que nunca vou deixar contente. Porque eu não escrevo aquilo que ele busca. Por isso eu acho SEO meio furada. Porque acaba sendo uma estatística ilusória. Quantos das centenas que visitaram meu site realmente gostaram dele? Poucos. Meu site não oferece o que eles querem. Essas pessoas dão uma olhada no resto do blog, vêem que é meio nerd… Mas o que eu me arrependo não é do número de visitantes é do tipo de visitantes”.

Realmente: se você vai escrever e publicar para si mesmo, você sempre terá a audiência garantida do seu fã número 1: você mesmo.

Mas se você quer audiência externa, você precisa sair de si mesmo. Você precisa decidir quem são as pessoas a quem vai se dirigir. Precisa descobrir quantas são essas pessoas, onde elas estão, o que elas estão procurando, o que elas querem, o que elas gostam, o que elas procuram.

Não são respostas que você encontre enquanto se olha no espelho.

Esse tipo de problema leva alguns empreendedores/editores desesperados a adotar técnicas black-hat. Após fazer um lindo site para si mesmo, ele não consegue entender porque milhões de usuários não se apaixonam à primeira vista por ele. Aí, caem na armadilha de Narciso: “ah, se essas pessoas simplesmente experimentarem, elas vão adorar”. E entopem suas páginas com palavras-chaves para atrair usuários através do Google.

Desista: as pessoas não vão adorar seu site. O que você precisa entender é que as pessoas se olham no espelho para ver o próprio reflexo, não uma linda fotografia do seu rosto!

Você precisa entender que seus visitantes são tão narcisistas quanto você. Estão extremamente preocupados com os próprios problemas, preocupados demais com os próprios umbigos.

Narcisistas detestam concorrência.

Então, comece redigindo um texto voltado para pessoas. Para o que os seus usuários-alvos querem/precisam/gostam/procuram. Ofereça soluções para seus problemas, respostas para suas angústias, atalhos para seus desejos. Escreva com gosto, procure o sabor das palavras e tempere-as ao gosto do cliente.

Só então, comece a preocupar-se com os robôs.

É nesse momento que você vai revisar seu texto orientado para o leitor, inserindo palavras-chaves de um modo que os robôs de busca “entendam” qual é o assunto de sua página e ofereçam-na em primeiro lugar aos usuários que estejam procurando por esse assunto.

Para “entender” o assunto de sua página, os robôs usam alguns critérios além da tradicional “coincidência de palavras” (word matching). Esses critérios refletem o modo como as pessoas normalmente escrevem e os critérios que as pessoas costumam utilizar para avaliar a adequação de um texto a suas necessidades.

Imagine que você está em uma livraria, ou em uma biblioteca, procurando um livro para saber mais sobre um assunto de seu interesse. O que, inicialmente, chama sua atenção para alguns livros e o faz deprezar alguns outros?

Exato: o título. Em geral, os títulos dos livros costumam fornecer boas pistas sobre seus conteúdos.

Os títulos, portanto, são proeminentes. Se seu livro oferece dicas para manutenção de automóveis, pode ser uma boa idéia intitulá-lo “100 dicas para manutenção de seu automóvel”.

Talvez seu editor julgue uma boa idéia dar outro título, mais “criativo”, a seu livro, algo como “O manual ACME de truques e quebra-galhos”. E acrescente suas “100 dicas” no subtítulo.

Ora, se você está procurando dicas sobre manutenção de automóveis, é mais provável que os termos do título chamem mais sua atenção do que os dos subtítulos. Assim, podemos dizer que o título é mais “proeminente” do que os subtítulos.

Em termos de web, a “proeminência” de uma palavra-chave é um índice que refere à sua proximidade do início da da página (ou área analisada em uma página). Se uma palavra é a primeira de uma área analisada, sua proeminência é de 100%; se aparece na metade do texto, sua proeminência é 50%.

Veja que isso faz todo o sentido. Se estou procurando por lojas que vendem câmeras digitais, é mais provável que eu encontre o que estou procurando em uma página intitulada “Cãmeras digitais: onde comprar”, do que em outra página cujo título seja “Onde comprar lunetas, instrumentos ópticos , microscópios e câmeras digitais”.

A primeira página, sem dúvida, parece mais especializada do que a segunda e terá maior probabilidade de atender à sua busca. Portanto, provavelmente terá prioridade nas páginas de resultados dos buscadores.

Assim, uma parte essencial do trabalho de SEO é decidir que palavras-chaves receberão a maior proeminência em que áreas de sua página. Essa é uma pequena mudança que, aliada a muitas outras, podem aumentar várias vezes a eficiência de seu texto orientado para o leitor e, conseqüentemente, a audiência e a popularidade de seu website.

Precisa de ajuda? Entre em contato pelo formulário abaixo!







Artigos relacionados

Os comentários estão fechados.